PRINCIPAL
HISTÓRIA
CASAMENTOS
CENTRO DE ESTUDOS
SEMINÁRIO
BIBLIOTECA
ÁUDIO
VÍDEO
ORGANIZAÇÃO
CELEBRAÇÕES
ENDEREÇOS
NOTÍCIAS
LINKS
LIVRARIA

Igreja Católica Liberal

Visite-nos no FACEBOOK!

RÁDIO
MÚSICA
SACRA


ACIONE ">" PLAY
ABAIXO PARA OUVIR

OUVIR A RÁDIO MÚSICA SACRA COM O WINDOWS MEDIA PLAYEROUVIR A RÁDIO MÚSICA SACRA COM O WINAMPOUVIR A RÁDIO MÚSICA SACRA COM O ITUNES OU QUICKTIMEOUVIR A RÁDIO MÚSICA SACRA COM O REALAUDIO PLAYER


ADQUIRA
LIVROS
DE
AUTORES
RECOMENDADOS






















eXTReMe Tracker


    A VISÃO DOS FUNDADORES

    Mui.Rev.Ian Hooker

     

    James Ingal Wedgwood

    James Ingal Wedgewood
    1º Bispo Presidente da ICL 

    Quando James Wedgewood foi consagrado Bispo do ramo inglês da Igreja Velho Católica em 13 de fevereiro de 1916 - data que hoje reconhecemos como marcando o nascimento da Igreja Católica Liberal - o clima religioso no Reino Unido e na Europa em geral estava grandemente perturbado por atritos e conflitos e excessiva rigidez. Cientistas promulgando teorias evolucionárias cuja aplicação por antropólogos e sociólogos ameaçaram o sistema religioso, que em sua maior parte reagiu defensivamente - ainda que alguns Protestantes liberais tentassem rearranjar sua teologia sobre fundamentos evolucionistas e ao mesmo tempo escriturais. O modernismo católico caíra em grande descrédito, com seus expoentes silenciados, ou simplesmente ignorados, fazendo com que permanecessem cautelosos e discretos. O literalismo escritural permanecia isolado. O Metodismo e o Exército da Salvação ofereceram uma bem vinda aplicação de ideais bíblicos, enquanto abandonavam qualquer interesse por aquelas formas de sacramentalismo dependente da sucessão apostólica.

    A Devoção cristã estava espalhada por toda parte, mas em toda parte estava ancorada na desagradável doutrina da Expiação Vicária - o suposto auto-sacrifício de Cristo para aplacar a ira ou o desejo de compensação de um Deus contrariado e legalista.

    Dentro deste ambiente pouco receptivo, a pequena Igreja emergiu, de início silenciosa, pois Wedgewood esforçou-se para consolidá-la concisamente no Reino Unido antes de partir para a Austrália para assumir a tarefa anteriormente confiada por Charles Leadbeater, de ajudá-lo a preparar uma abrangente liturgia, encontrar e preparar clérigos e estabelecer congregações. O trabalho transcorreu bem, com serviços experimentais conduzidos de modo privado, ou com participantes convidados. A primeira Liturgia da Sagrada Eucaristia apareceu impressa durante 1917, os outros serviços sendo formulados rapidamente após. Nos intervalos durante os três anos de compilação da liturgia, Wedgewood viajou por todo o mundo, visitando a Nova Zelândia, os Estados Unidos e partes da Europa, onde quer que fosse possível ordenar homens adequados e fundar congregações. Tipicamente, estas novas congregações se reuniam em edifícios emprestados ou alugados, freqüentemente naqueles dos grupos locais da Sociedade Teosófica. Não carece apologia o papel desempenhado por Wedgewood em se assim fazer, já que entendia a Igreja Católica Liberal (assim denominada em setembro de 1918), como uma combinação de interpretações teosóficas do Cristianismo com o sacramentalismo Católico.

    Além disso, tanto Wedgewood quanto Leadbeater eram muito abertos na seleção de candidatos para a ordenação dentre homens de bom caráter, reconhecidos por terem estudado a Sabedoria Antiga, ou Teosofia, de um modo sistemático por alguns anos, e dados a um modo de vida meditativo e algo ascético. Mais tarde, imaginavam, elaborariam um curso apropriado de estudo para candidatos à ordenação; enquanto isso, as novas igrejas deviam ser providas por servidores.

    A despeito de sua grande confiança nos membros e recursos da Sociedade Teosófica, Wedgewood não estava construindo uma igreja apenas para teosofistas. Desde o início ele antevia a ICL como um porto para Cristãos livre-pensadores, liberalmente inclinados, já desconfortáveis com as igrejas tradicionais. No devido tempo, acreditava, estas pessoas formariam a maioria dos Católicos Liberais.

    Os Fundadores poderiam ter preferido inaugurar sua nova empreitada discretamente. Não lhes permitiram isso, pois antagonistas americanos de Leadbeater, sabendo de sua mudança para Sydney, já tinham notificado as autoridades legais de lá que um homem perigoso havia se deslocado para sua jurisdição. Daí seguiu-se uma prolongada mas intermitente investigação policial recheada de publicidade lúgubre e ridicularizante nos jornais. Finalmente a polícia desistiu de procurar por evidências que não seriam ali encontradas e a campanha jornalística silenciou. Leadbeater suportou tudo com equanimidade inabalável, mas quando a vilipendiação seguiu Wedgewood até a Grã-Bretanha sua reputação e sua saúde sofreram tão drasticamente que ele viu-se obrigado a renunciar ao posto de Bispo Presidente e transferi-lo ao muito mais idoso Leadbeater. Depois de alguns anos despendidos em trabalho acadêmico - teses doutorais na física do som aplicada à música executada ao órgão- Wedgewood retornou ao vigoroso e efetivo trabalho pela igreja no Reino Unido e Europa, mas declinou a reiterados convites de Leadbeater para reassumir o cargo de Bispo Presidente.

    Charles Webster Leadbeater

    Charles Webster Leadbeater
    2º Bispo Presidente da ICL 

    Os dois principais Fundadores da ICL parecem-me ter sido homens de talento e visão extraordinários, homens preparados para empreender um grande trabalho pioneiro firmemente convencidos de que o faziam sob as bênçãos, e na verdade, sob a direção direta do próprio Senhor Cristo. Trouxeram grandes dons para a tarefa. Ambos eram profundamente espiritualizados e ambos estavam conscientes do fluxo e concentração de poder espiritual na operação dos serviços sacramentais da Igreja. Esta faculdade altamente desenvolvida capacitou-os a arranjar os serviços de modo tal a amplificar sua potência como canais para a graça. Wedgewood veio a desenvolver um grande dom lingüístico, como pode ser prontamente percebido em um exame da liturgia, da qual ele foi o principal autor. Enquanto diz-se de Leadbeater que era um discreto mas poderoso cerimonialista. Testemunhos disponíveis descrevem Wedgewood como um homem de grande encanto pessoal e um celebrante eletrizante - inspirando todos os que foram tão afortunados com sua convivência. Os alicerces que eles lançaram são nossa preciosa herança, talvez a ser ligeiramente ajustada de tempos em tempos, à medida em que mudarem a língua e os valores, mas preservada em sua essência e substância para os que nos sucederem. Os Bispos Fundadores estabeleceram uma igreja cuja visão foi revolucionária para o início do século passado e ainda é em muitos aspectos revolucionária neste início de novo século. Eles nos deixaram uma soberba Liturgia, uma simples mas profunda Declaração de Princípios e Sumário de Doutrina, uma extensa literatura de comentários e interpretação e exemplos pessoais de dedicação e auto-sacrifício que nós todos podemos apreciar e procurar imitar, na medida de nossas capacidades. Acima de tudo, eles nos deixaram uma Igreja para os séculos vindouros, expressiva da visão que compartilharam. Mesmo sob o risco de fazer o sublime soar prosaico, acredito que podemos sumarizar as principais características daquela visão deste modo:

    Os Fundadores anteviram a ICL como:

    - Uma Igreja cujo estabelecimento foi direta e intimamente guiado pelo próprio Cristo;

    - Uma Igreja cuja função primeira é derramar a bênção de Cristo no mundo através de poderosos rituais reformulados;

    - Uma Igreja cujo povo participa alegremente, em lugar do cumprimento do dever ou hábito;

    - Uma Igreja que mantém a sucessão apostólica com uma percepção ampliada de seu significado;

    - Uma Igreja que oferece profundas interpretações esotéricas do Cristianismo, fundamentadas na Sabedoria Eterna;

    - Uma Igreja que insiste na liberdade de crença como fundamento indispensável para busca genuína e que encoraja o crescimento interior de acordo com o temperamento e inclinações;

    - Uma Igreja que acolhe buscadores sem distinção de perspectiva, esperando apenas uma aproximação reverente à Sagrada Eucaristia e dos outros ritos da Igreja;

    - Uma Igreja que reconhece a validade das outras grandes religiões e que encoraja um simpático interesse por elas;

    - Uma Igreja que considera os seres humanos como perfectíveis no decurso de muitas existências e que indica a antiga vereda estreita, ou senda do desenvolvimento acelerado, para aqueles interessados, conquanto não a imponha àqueles a ela não inclinados;

    - Uma Igreja para a qual Nosso Senhor o Cristo tem planos de longo prazo, que só muito parcialmente foram revelados.

    Ian Hooker, Ex-Bispo Presidente da Igreja Católica Liberal.

    Tradução: Ricardo Frantz
    Revisão: Rev.Pe.Osmar de Carvalho