Igreja Católica Liberal
Província do Brasil
ICL Biblioteca Biografias Casamentos Celebrações Clero Notícias
ORDEM DE NOSSA
SENHORA MARIA


  • A ORDEM DE NOSSA SENHORA MARIA NA IGREJA CATÓLICA LIBERAL (Mons. Isaac Zaney)
  • A ORDEM DE NOSSA SENHORA NA IGREJA CATÓLICA LIBERAL - PROVÍNCIA DO BRASIL (Mons. Marcelo Rezende)

  • DIACONISAS - MISSÕES - ORATÓRIOS - CONTATOS

  • ROSÁRIO DOS SETE RAIOS DE NOSSA SENHORA

  • A IGREJA, A MÃE DO MUNDO E A NOVA ERA - Rev.Robert Ellwood

  • ADEPTA - RAINHA - MÃE - SACERDOTISA: MARIA NOS ESCRITOS DO PE.GEOFFREY HODSON - John F. Nash
    A ORDEM DE NOSSA SENHORA MARIA NA IGREJA CATÓLICA LIBERAL
    Aonde está sendo conduzida?
    O que ela guarda para o futuro?
    por Mons. Isaac Zaney
    (Arcebispo da Província de Gana, Membro do Comitê de Ofícios Sagrados)


    Em julho de 2000, o XII Sínodo Episcopal Geral, reunido no Centro Pastoral de Todos os Santos, em Londres, Inglaterra, aprovou uma proposta apresentada pelo Bispo-Presidente, Ian Hooker: “que empreendamos trabalho que conduza, em tempo – se o fizermos adequadamente, aberto à orientação –, a um novo e poderoso segmento feminino em nossa Igreja e, talvez, posteriormente, na Igreja Cristã.”

    CONCEPÇÃO DA ORDEM


    “Reformar as Ordens Menores a serem aplicadas a mulheres, em nome de Nossa Senhora. Os estágios conhecidos de Clérigo, Porteiro, Leitor, Exorcista e Acólito, cada um com seus respectivos estímulos espiritual e orientação ao autoconhecimento, poderiam, assim, serem extensíveis a mulheres, de modo distinto, porém, com as bênçãos e admissões direcionadas à Nossa Senhora assim como ao Nosso Senhor Jesus Cristo. As cinco Ordens Menores, renomeadas e reorientadas, conduziriam, então, ao magnífico ofício sagrado de Diaconisa.”

    Durante a exposição, questionou-se: “Se abríssemos nossa Igreja mais integralmente à influência de um grande Ser, como poderíamos perder?” Destacou-se que há uma ampla evidência, nos escritos do Bispo Leadbeater e de outros preeminentes expoentes de nossa tradição, que Nossa Senhora assumiu um singular interesse por nossa pequena Igreja.

    Os ofícios sagrados propostos não pretendiam formar uma base para as Ordens Maiores, “pois as cerimônias de admissão seriam, para isso, radicalmente modificadas.”

    Em vez disso, poderíamos ter uma linha de desenvolvimento que consentiria às mulheres uma maior atuação no Santuário e na vasta vida da Igreja – “uma ação que o proponente percebe como portadora de um grande potencial.”

    A proposta foi formulada com um objetivo primordial: oferecer à Maria, Santa Senhora, Nossa Mãe celeste, um meio de difundir luz, bênção e consolo ao mundo. Foram também enunciados “propósitos secundários, embora sumamente elevados.” Entre esses, inclui-se um maior envolvimento de moças e mulheres no trabalho do Santuário e no serviço de Nossa Senhora, visando a um novo sentido de dedicação e compromisso.

    Essas foram a percepção e as proposições que inspiraram, na Igreja, o estabelecimento de Ofícios Sagrados para mulheres, paralelo às Ordens Menores. Para aprovação da proposta, o Sínodo designou um Comitê, presidido pelo Bispo-Presidente, que se encarregaria de examinar o assunto.

    O QUE TEM SIDO FEITO ATÉ ENTÃO


    Até então, o Comitê instituiu serviços de admissão para cinco Ofícios Sagrados, considerados estágios da Ordem de Nossa Senhora, a saber: Pureza, Devoção, Conhecimento, Amor e Vontade. Correspondem às Ordens Menores de Clérigo, Porteiro, Leitor, Exorcista e Acólito, respectivamente, em termos de princípios da constituição humana aos quais os serviços de admissão são dirigidos com a outorga de poderes sacramentais.

    A Ordem foi instituída para mulheres que “vendo em Nossa Sagrada Senhora seu grandioso Exemplo, sentem o chamado de servir em seu nome como canais de sua graça. Elas, assim, estabelecem perante si mesmas um grande e glorioso ideal: tornarem-se colaboradoras com Deus, aceitar e reverenciar a Mãe divina, Princípio de toda a criação, e cooperarem com plano divino para o aperfeiçoamento de toda a vida.” (desde a responsabilidade no serviço de admissão ao primeiro estágio).

    Reunindo-se todas essas idéias, alguém poderia descrever a Ordem de Nossa Senhora como uma instituição para o desenvolvimento espiritual daquelas mulheres que, despertando para sua natureza intrínseca própria e vendo em Nossa Sagrada Senhora seu grande Exemplo, desejem servir à Sua causa, enquanto se desenvolvem e sob Sua emanação do divino Arquétipo do qual Ela é a mais elevada e perfeita manifestação.

    Reportando-se ao Sínodo Episcopal Geral de 2001 (Circular nº 5), o Bispo-presidente disse: “Sou levado a antecipar que esse trabalho de Nossa Senhora será um dos meios principais pelo qual energias novas e revigorantes serão disseminadas por meio de nossa Igreja neste novo século.”

    Nas páginas seguintes, procuramos relatar esse nobre conceito da Ordem à qual temos nos referido geralmente como a causa de Nossa Senhora, e especialmente a uma de suas principais preocupações no mundo atual, e, também, à Sua clara atenção a esta Igreja como uma fonte de auxílio a Seu trabalho. Tentamos perceber de que maneira a Ordem poderá servir aos propósitos Dela.

    NOSSA SENHORA E A IGREJA CATÓLICA LIBERAL


    Inicialmente, desejamos direcionar a atenção ao singular posicionamento da Igreja Católica Liberal em relação ao trabalho de Nossa Senhora. O Bispo-presidente, em sua Circular nº 3, escreveu:

    “Nos iluminados escritos disponíveis a nós na Igreja Católica Liberal, desfrutamos de um imenso privilégio. Isso não é de modo algum maior do que em relação a Nossa Senhora. Uma cuidadosa leitura das reflexões de nossos bispos fundadores em relação ao lugar de Nossa Senhora no esquema das coisas, dá-nos uma formidável e completamente distinta perspectiva.”

    Se acrescentarmos aos escritos sobre Nossa Senhora de nossos bispos fundadores os do Rev. Pe. Dr. Johannes Jacobus van der Leeuw, do Rev. Pe. Johan Van Der Stok e do Rev. Pe. Geoffrey Hodson, não há apenas a visão dos fundadores corroborada, mas torna-se claro que este grande Ser, Nossa Senhora Santíssima, está consciente de nossa pequena Igreja, possui esperança em nós, e até expectativas de como nós poderemos auxiliá-la em Seu trabalho.”

    A ORDEM DE NOSSA SENHORA E O TRABALHO DE NOSSA SENHORA MARIA


    Na Ordem de Nossa Senhora, como alguém pode perceber o desenvolvimento de um poderoso esquema de auxílio a Ela nesta e em outras direções?

    Duas coisas são visadas pela Ordem. Em primeiro lugar, conforme mencionado, o propósito fundamental da Ordem é oferecer a Nossa Senhora um meio de difundir sua luz, benção e consolo ao mundo. Para esse fim, quando uma candidata ingressa na Ordem, a ela é dita, segundo já exposto, que a Ordem foi instituída para mulheres que, vendo em Nossa Sagrada Senhora seu grandioso Exemplo, sentem um chamado para servirem, em Seu nome, como canais de Sua graça. Em cada estágio subseqüente, a candidata é lembrada tanto de seu compromisso em servir como um canal da graça de Nossa Senhora, como de sua aspiração em crescer à Sua imagem como Seu grandioso Exemplo. Este é o duplo objetivo da Ordem: fornecer a Nossa Senhora canais ativos ao mundo e imagens em desenvolvimento de Si mesma.

    Um membro da Ordem, ao colocar Maria, Santa Senhora – perfeição do feminino –, ante si como um grande Exemplo e Ideal aos quais se empenharia em atingir, e cuja imagem deveria inculcar-se, é verdadeiramente um meio de desenvolver-se como mulher, e por meio dela, toda a feminilidade, e aproximar o dia de redenção e salvação do mundo.

    Isso é, portanto, parte do grandioso serviço que a Ordem poderia render à causa de Nossa Senhora e à humanidade – se, como formulada na proposta original, realizarmos o trabalho adequadamente, abertos à Sua influência.

    UM INSITUTO DE ESTUDOS MARIANOS


    Para que o trabalho seja adequadamente efetuado, uma linha posterior de ação foi sugerida: o estabelecimento de um centro de estudo que agruparia toda a literatura disponível, tornada nossa valiosa herança na Igreja Católica Liberal, sobre Nossa Senhora e Seu vasto campo de atuação em relação a Sua busca por seres humanos conscientes. O Instituto fornecerá, então, material de estudo na forma de periódicos para as pessoas que aspiram ao serviço na causa de Nossa Senhora. Ele também oferecerá orientação ao autoconhecimento, que é a essência da responsabilidade transferida aos membros da Ordem em cada estágio de seu progresso.

    O XIII Sínodo Episcopal Geral, realizado em dezembro de 2002, aprovou a criação de um “Instituto de Estudos Marianos”. Portanto, o trabalho da Ordem está se expandindo em relação ao seu objetivo, e acreditamos que também se desenvolverá em profundidade. Nesse sentido, há outras idéias sobre futuros aperfeiçoamentos perante o Comitê de Ofícios Sagrados.

    CONCLUSÃO


    Assim, por decisão do Sínodo Episcopal Geral, ocorrido em julho de 2000, para instituir os Ofícios Sagrados às mulheres, agora organizado como Ordem de Nossa Senhora, a Igreja Católica Liberal está elaborando “um novo e poderoso segmento feminino em nossa Igreja”, uma Ordem que não somente possibilita às mulheres os passos iniciais e reconhecidos estágios de desenvolvimento interior então associados às Ordens Menores, mas possui claramente um grande potencial em promover a causa de Nossa Senhora no mundo de hoje. Esta causa encerra várias ramificações, incluindo a evolução do feminino pelo mundo.

    Essa elevação da mulher, que fomos feitos para compreender, guarda a chave para a redenção e salvação do mundo. Revelará o que a mulher “realmente é, e seu digno lugar na economia da natureza”, um degrau que “conduzirá à verdadeira intuição espiritual”, a uma nova espécie de cristãos. Se a Igreja Católica Liberal, por meio da Ordem de Nossa Senhora, puder, conforme indicado, contribuir de uma forma humilde em direção àquele glorioso e distante futuro, um dos propósitos de Sua causa terá sido bem desempenhado.



    A ORDEM DE NOSSA SENHORA NA IGREJA CATÓLICA LIBERAL
    PROVÍNCIA DO BRASIL

    Por Revmo. Mons. Dom Marcelo Rezende
    (Arcebispo da Província Eclesiástica do Brasil)


    Em continuidade ao descrito acima pelo Mons. Isaac Zaney foi aprovado pelo 14o Sínodo Episcopal Geral em 2007 o Ofício de Admissão à Ordem de Diaconisa, além de algumas revisões nas Ordens menores.

    Dessa forma ficou definido os seguintes estágios, símbolos e vestes:

    O modelo da Medalha aprovado é o da medalha milagrosa de Nossa Senhora das Graças:



    Medalha Escapulário

    O escapulário deve ser de tecido natural, de preferência de linho branco liso, sem adornos. Em nenhum momento deve ser maior que a largura dos ombros da Diaconisa, deve ter uma abertura simples para a cabeça, e laços laterais podem ser usados, se desejado.

    GUIA E RECOMENDAÇÕES PAR A ORDEM DE NOSSA SENHORA

    PRINCÍPIOS GERAIS

    1. Antes de ingressar na Ordem, cada candidata deve ter participado regularmente e ativamente da vida da Paróquia por um período mínimo de um ano.

    2. Antes de ingressar na Ordem, cada candidata deve ter recebido os sacramentos de Batismo (mesmo que de forma sub-conditione) e da o sacramento da Confirmação (mesmo que de forma sub-conditione) dentro da Igreja Católica Liberal. Ao receber o sacramento do Batismo a Irmã torna-se ipso facto membro da Igreja Católica Libera.

    3. Antes de ingressar na Ordem, cada candidata deve ter estudado os objetivos da Ordem, o Sumário de Doutrina da Igreja Católica Liberal e a Declaração de Princípios da Igreja Católica Liberal, e dar sua aceitação por escrito.

    4. A candidata deve preencher dois formulários, um de “Assentimento aos propósitos da Ordem de Nossa Senhora” e outro “formulário de dados pessoais”, fornecendo detalhes como endereço, estado civil, filhos e situação profissional, etc. Esse questionário deve ser submetido ao sacerdote encarregado local, que, por sua vez, deve submetê-lo ao Prior da Ordem de Nossa Senhora, que informará ao Bispo sua recomendação por escrito, apoiando o pedido.

    5. Antes da admissão no primeiro Estágio da Ordem, cada candidata deve indicar sua acessibilidade à “Constituição Geral da Igreja Católica Liberal”, ao “Código de Cânones da Igreja Católica Liberal” e ao “Estatuto da Igreja Católica Liberal no Brasil”.

    6. Antes da admissão ao Ofício de Diaconisa, cada candidata deve ter concluído seus estudos no “Centro de Estudos Religiosos Monsenhor James Ingall Wedgwood”, onde deve ter estudado no mínimo as seguintes matérias:

    • Natureza e finalidade da Igreja Católica Liberal
    • Meditação e o Rosário de Nossa Senhora
    • História da Igreja Católica Liberal
    • Organização da Igreja Católica Liberal
    • Doutrina da Igreja Católica Liberal
    • Doutrina dos Sacramentos
    • Teosofia Básica
    • Nossa Senhora Maria, história e tradição
    • Práticas Litúrgicas Gerais e Marianas


    7. A cada estágio será indicado um livro para ser lido como material adicional de apoio na formação na Ordem, bem como deverá ser entregue uma pequena resenha que demonstre a compreensão do que foi lido.

    8. Antes da admissão no Ofício de Diaconisa, cada candidata deve assumir um Juramento de Obediência Canônica, por escrito ao Ordinário e seus sucessores.

  • ICL Biografias Biografias Casamentos Celebrações Clero Notícias
    © 2021 - IGREJA CATÓLICA LIBERAL
    E-mail: [email protected]
    WhatsApp(11)98475-4717
    R.Mituto Mizumoto, 301, Liberdade, São Paulo/SP
    Missas aos domingos 10:30h.

    eXTReMe Tracker